domingo, 26 de agosto de 2012

Bad Trip In The Hospital

Por volta das 4:30 da madrugada fui acordado por minha gata miando alto. Era aquele típico meado enjoado, longo e chato de quando as gatas estão em seu estado mais caliente. “Céus, inventam tanta merda pra gatos, bem poderiam inventar um vibrador para os bichanos, seria um aparato bem procurado.”, pensei enquanto levantava para dar uns safanões na Frida, que estava fazendo sua exibição inutilmente no meio da sala. A pobrezinha não conseguiria nada, ainda mais pelo fato de que moro no oitavo andar. Nenhum gato seria Magaiver o suficiente para chegar até a donzela que estava se fazendo de pão para levar salsicha.

Dada à bronca, fui à cozinha tomar um copo d’água e comecei a sentir uma leve queimação no estômago. Pensei na possibilidade de ser meu estômago pedindo por comida e resolvi dar uma olhada na geladeira. Um vasto mix de alimentos: uma banana com cara duvidosa, um pote de maionese com a cor esverdeada e uma latinha de cerveja Kaiser. Peguei a banana. Como de costume, a Frida começou a mendigar e lhe servi um pouco de ração. Voltei para a cama.

                7:00 da manhã acordei novamente, desta vez por uma dor de estômago mais intensa. Procurei por algum remédio na cozinha e nada encontrei. Acordei minha madrasta e questionei se tinha algo para ajudar a aliviar a dor. Recomendou que eu tomasse um pouco de água quente com canela. Esquentei a água, adicionei a canela e mandei brasa. Não demorou nem 1 minuto para que minha dor se intensificasse e começasse a me preocupar. Resolvi ir até o hospital.

                A dor foi aumentando gradativamente e já na espera do pronto atendimento eu me contorcia de dor, era como se meu estômago estivesse em chamas e tive que me deitar nas cadeiras de espera. Era um pátio branco e enorme com pelo menos 100 cadeiras de espera, mas estava quase vazia, salvo por mim e por uma senhora com aparência de que poderia morrer a qualquer hora, conseguia ver uma barrinha de HP em cima de sua cabeça e indicava apenas 3 de life. Era magrinha, tremia e a cor dos olhos era clara. Estava só o pó da gaita.


 Um pé na cova e outro na casca de banana. Sorriu para mim e pude ver a barrinha diminuir para 2 de life. “Não se esforce tanto, Tutankamon”, pensei e retribui com um sorriso falso. É difícil sorrir de verdade quando se tem a sensação de que há óleo de cozinha quente em seu estômago.

                Tantas portas naquele maldito salão e nenhum médico dando as caras. Cheguei a pensar na possibilidade de ter apenas um caboclo para atender naquele horário e o maldito deveria estar cagando. Chegou um pai acompanhado de um garoto de uns nove anos com uma bola de basquete e uma camiseta do Ben 10. Entrou farofando no salão, batendo a bola por tudo quanto é canto e mascando chiclete com a boca aberta. “Santo Cristo, espero que engula essa porcaria de chiclete e passe a precisar mesmo de um médico, moleque pentelho!”. A dor acentuou meu matinal mau humor e qualquer coisa me irritava.

                Depois de uma eternidade, um médico abriu a porta. Tinha cabelo preto, liso e penteado para o lado que acentuava um topete meio gay e usava um tradicional estetoscópio apoiado no pescoço.

- André! – chamou

Levantei com dificuldade e fui caminhando em sua direção comemorando a chegada do momento. Enfim eu ia me livrar da dor com algum remédio daqueles que esses caras nos dão e tudo fica certo. Conforme fui chegando mais perto, olhou pra mim e disse novamente:

- André da Silva?

Este não era eu. Neguei com a cabeça e ele repetiu para o salão quase vazio:

- André da Silva!

Ouvi passos desesperados atrás de mim e pude ver o sorriso triunfal do garoto pentelho com a mão levantada:

- Sô eu!

Enquanto passava por mim, olhei-o com olhos cerrados, mordendo o maxilar e mostrando-lhe os dentes. A raiva me invadia e intensificava as pontadas vindas do meu estômago. Ele parecia sadio e mesmo assim teve o privilégio do atendimento por ser criança. Antes de entrar na sala com seu pai e o doutor, olhou pra mim e mostrou o dedo médio, rindo abestalhado.

                Mais meia hora de espera, ainda deitado nos bancos e sentindo dor absurda. A velha já tinha sido atendida, mas não eu. Brasil de merda, pagar plano de saúde não te dá privilégio algum. Estava cogitando a ideia de ir a um postinho quando uma porta se abriu.

- André Fonseca!

Era um velho de baixa estatura, com cabelos grisalhos, enormes entradas e um bigodão que chegava a esconder seus lábios. Desta vez era eu.

Durante a consulta, questionou a respeito da minha alimentação e sobre o que ingeri recentemente. Mencionei a canela. Pediu-me para deitar na maca e massageou minha barriga em algumas áreas e quando acertou o ponto certo, gritei de dor. Sentou em sua mesa e fez umas anotações.

- Acredito que seja gastrite, você terá de comprar estes remédios. Agora vamos aplicar uma medicação para melhorar esta dor.

         Na sala de medicação, umas senhoras conversavam sentadas em suas poltronas, enquanto aguardavam suas medicações. Pareciam tranquilas, ao contrário de mim. Com os pés afastados da cadeira, tentava me deitar, enquanto gemia de dor, que ficava cada vez pior. Enfim a enfermeira chegou trazendo um suporte com um pacote em cima.

- Putz, isso é soro?

- Não, é morfina.

- Hm.

Já tinha ouvido falar de morfina, não tinha ideia de como funcionava, mas amigos meus contaram que a substância poderia te deixar doidão, além de amortecido.

          Como minha dor tinha chegado a um nível absurdo, fui transferido para uma maca em uma sala cheia de divisões por cortinas, pois precisava mesmo deitar. A enfermeira era baixinha, tinha cabelos loiros e curtos, usava óculos e aparentava ter uns quarenta anos, completamente inexpressiva. Na primeira vez errou minha veia, tentou outra vez e errou de novo. Mudou de braço e voilá, a substância começou a entrar por minhas veias.

         Minutos se passaram e não senti diferença alguma. A dor persistia, até mesmo se intensificava e, vencido pelo sofrimento, lacrimejava. Mesmo depois de trinta por cento da substância do pacote tendo adentrado meu organismo, nada mudara. Comecei a procurar um botão daqueles que se usa quando quer chamar alguém e para minha surpresa, o botão não existia. Olhei para o lado e por uma fresta na cortina, avistei uma bela garota conversando com alguém que eu não conseguia enxergar. Ela estava pálida, não parecia estar em seus melhores dias também, mas mesmo assim sua beleza era notável.

- Hey, por favor, pode pedir para uma enfermeira vir aqui? Estou com uma dor lazarenta.

A garota pediu a pessoa que estava com ela para que procurasse uma enfermeira e em poucos minutos, a enfermeira loirinha abriu a cortina.

- Ainda sinto muita dor, demora muito tempo para fazer efeito?

Então ela regulou algo na válvula que liga o pacote ao tubo e disse que a morfina desceria mais rápido. Terminado o pacote, a dor ainda era absurda, não tinha sentido melhora alguma e pedi para a garota chamar a enfermeira novamente, ela repassou o recado como antes e a logo chegou com o doutor que havia me atendido.

- Doutor, ainda sinto uma dor cabulosa, parece que esse remédio não fez nem cócegas.

Ele conversou algo que não escutei com a enfermeira e logo em seguida ela veio com outro pacote.

- O dobro da dosagem desta vez, é uma medicação forte.

A partir daí tudo começou a ficar bem estranho.


Conforme o volume do pacote foi diminuindo, ia me sentindo cada vez mais estranho. Não sabia mais diferenciar o que era dor e o que era mal estar. Não sabia se queria vomitar ou ir ao banheiro e tinha dificuldade para organizar meus pensamentos. Na parede em que minha maca estava encostada, havia um relógio de ponteiros no qual não conseguia ver que horas eram. Havia tirado meus óculos logo que deitei na maca, o que dificultava enxergar com nitidez, mas mesmo de longe eu tinha a impressão de que todos os ponteiros estavam se movendo com rapidez, todos ao mesmo tempo. Próximo ao relógio via luzes que pareciam reflexos de faróis de carros passando pela rua.

O médico abriu a cortina e perguntou:

- Como se sente?

- Ainda sinto dor.

Fez umas anotações numa prancheta e falou algumas coisas que não compreendi. Suas palavras ou sumiam ou eram distorcidas, mas captei a mensagem, pois escutei as palavras raio-x e tomografia.

           Esperei mais um tempo deitado e logo a loirinha chegou novamente, tinha um papel em suas mãos.

- Você vai ter que ir ... andar ... corredor ... esquerda ... depois ... de novo ... esquerda ... elevador ... sala de ... perto de ... falar com ... voltar. Tudo bem?

Quando terminou de falar, apontou para um corredor. Não tinha ideia do que tinha que fazer e nem para onde ir. Suas palavras estavam além da minha sanidade. Respondi monossílabo:

- Ok.

Tinha muita dificuldade em me comunicar. Primeiro porque não conseguia raciocinar direito e segundo porque parecia que minha língua estava morta. Sentia um estranho conforto em ficar calado, mesmo que pudesse comprometer minha compreensão.

          Levantei da maca e meus pés caíram pesados no chão, acho que subestimei a gravidade. Peguei o papel de suas mãos, fui andando lentamente pelo corredor e avistei ao fundo uma bifurcação. O caminho parecia longo e quanto mais eu andava, mais ele parecia se esticar. O trajeto era todo igual, sem nem um quadro, porta ou decoração, tudo muito branco, o clássico cenário mórbido dos hospitais. Com as pernas pesadas ficava mais difícil de andar e me apoiei na parede para prosseguir, estava seguindo meu próprio caminho do calvário.

         Virei à esquerda, encontrei umas cadeiras e sentei ali mesmo. Minha cabeça rodava, não conseguia lembrar quais eram as malditas direitas ou esquerdas das quais a enfermeira havia falado e resolvi ficar no banco. Estava bom ali.

Meu cérebro navegava em calmaria total e também não tinha rumo, estava apenas desfrutando da brisa do mar. Navegava tranquilo, o céu estava limpo e o vento batia em meu rosto trazendo uma maravilhosa sensação de liberdade. Sem pessoas por perto, sem cidade, apenas o céu, o mar e o ar. Tranquilidade total.

Porém, os momentos de prazer não duraram muito. O céu começou a se fechar e em poucos segundos começara a cair uma forte chuva. A luz dos trovões tomava o céu em um cenário apocalíptico e um deles acertou meu barco, sucedendo o naufrágio. Conforme o barco afundava, eu corria imbecilmente para a polpa como medida desesperadora e inútil. A água foi cobrindo meus pés, minhas pernas e quando chegou a minha barriga, senti uma enorme náusea.

Mar adentro, vi cadáveres segurando espadas que atravessavam seus estômagos e quando notei, estava fazendo o mesmo. Olhei novamente para os cadáveres que agora sorriam vendo minha autoflagelação. Sentia a espada dilacerando minhas tripas. Vomitei.

          De volta à realidade, tinha dado um belo banho no chão. Um líquido amarelado e marrom cobria o piso branco do hospital. Ao fundo do corredor avistei um homem de camiseta social, calça jeans e sapato. Ele era careca e conforme foi se aproximando identifiquei quem era. Por sorte meu pai havia chegado.

        Começou a falar algumas coisas que não entendi, sentou ao meu lado e fiquei escorado nele. Uma mulher passou nos olhando e tive a impressão que achou que éramos gays. Meu pai novamente falou, desta vez pausadamente e com muito esforço consegui entender o som que se esvaia baixo por seus lábios:

- André, você precisa ligar para alguém do trabalho informando que não vai, já fez isso?

Peguei meu celular, naveguei por entre os contatos, encontrei o nome de um amigo da empresa, disquei e entreguei ao meu pai, não tinha condições de falar. Enquanto ele comunicava minha ausência, uma senhora loira, baixinha e de óculos começou a passar o pano no chão, limpando minha sujeira. Ela era idêntica à enfermeira, só mudava a cor do uniforme, este era azul.

        Na companhia de meu pai, andava abobalhado por entre o hospital. Peguei elevador, virei direitas e esquerdas e sentei próximo a uma porta. Meu pai me deu um abraço e foi embora. Tinha um quadro próximo a porta que me chamou atenção. Era uma moça em um jardim. Seus cabelos ruivos cobriam um vestido verde de camponesa e ela sorria serenamente enquanto regava as rosas. Seus lábios eram rosa claro e o vento que batia em seus cabelos transcendia paz. Olhou pra mim, piscou e disse:

- Olá, como vai?

- Não muito bem, eu acho. E você? Parece legal regar essas rosas.

- Está um belo dia para cuidar do jardim. O que você tem?

- Meu estômago está uma merda, não sei o que houve.

- Você vai melhorar, fique tranquilo.

Neste momento, a porta se abriu uma enfermeira saiu. Esta também era loira, baixinha e usava óculos. Fiquei confuso.

- Está falando com quem?

Nada respondi, apenas entreguei o papel que a outra enfermeira tinha me dado.

- Ok, vamos ao raio-x.

Entregou-me uma roupa daquelas de hospital, o tal camisolão. Fui ao banheiro da sala, tirei toda minha roupa, vesti a outra e voltei.

- Feche o camisolão.

Fiquei abismado com minha falta de semancol. Estava com a o camisolão aberto, com o saco à mostra, fazendo um belo papelão. Fechei o camisolão e tirei os raios-x.

         Algum tempo depois a enfermeira voltou com o uns papéis e disse uma porção de outras coisas que não entendi. Sentei na cadeira novamente e ela disse:

- Você precisa entregar os exames ao médico.

- Não consigo andar.



Saiu da sala e voltou com uma cadeira de rodas. Entendi a mensagem desta vez e me acomodei nela. Apesar de estar me sentindo um inútil, não ligava. Durante o percurso, fechei os olhos. Estava em alta velocidade, acelerando pela rodovia que costurava os Alpes, sentindo o vento frio em meu rosto, pilotando um conversível. Do alto das montanhas tudo ficara mais belo, um cenário paradisíaco em meio a um sol escaldante. Pisava fundo, era o rei das estradas. 200km/h era pouco, tinha todo o controle em minhas mãos. Estava fazendo uma curva a 100km/h quando só consegui ver um vulto e virei o volante para a direita, rompendo a cerca e caindo montanha abaixo. Quando abri meus olhos, já me encontrava na sala das macas.

Voltei para a maca, entreguei os papéis à enfermeira loirinha que parecia a mesma de todas as outras. Ela me entregou uma garrafa de um litro e meio de um líquido que parecia água, mas servia para a tomografia funcionar. Tomei aquela porcaria, sentia meu estômago recusando cada mililitro e comecei a ficar enjoado novamente. Esperei por mais instruções.

           A loirinha chegou com minha cadeira de rodas e lá fomos nós para mais um exame. Não tinha ideia de quanto tempo havia se passado, estava um saco ficar naquele hospital, queria voltar para casa e descansar. A sala para realizar a tomografia era bem próxima a sala do raio-x. Acenei para a ruiva do quadro.

          A enfermeira baixinha apontou para uma cadeira e ali sentei, esperando o atendimento. Quando saiu da sala, apagou a luz e fiquei no escuro. Algumas luzes vermelhas vindas de um equipamento iluminavam um pouco a sala. Não estava ruim, bem pelo contrário, eu estava curtindo e mesmo que quisesse, não conseguiria chamar alguém, pois minha voz tinha sumido. A sala era quente e confortável.

        Vi um pedaço de lenha logo abaixo de uma mesa, estava reluzente. Seu brilho se intensificou e dele saiu uma chama. A sala se iluminara e com a lenha queimando, dando um aspecto de casa do campo. O perigo era iminente, pois muitos cabos de energia estavam próximos ao fogo, mas eu não queria estragar todo aquele visual, era confortável demais. O fogo ficou ali derretendo uns cabos e parte da mesa enquanto eu observava.

        Duas loirinhas idênticas entraram na sala e acenderam a luz. A lenha sumira junto com o fogo e o aspecto de casa do campo. Comecei a ficar enjoado novamente. Enquanto preparavam uma injeção, conversavam junto à mesa e não deixei de notar o assunto. Mesmo mal da compreensão, escutei:

- Você está saindo com o Dr. Rodrigo? Mas ele não é casado?

- É sim, mas não tem problema, quem é casado é ele!

Ah loirinha piranha! Esse tipo de putaria tem em tudo quanto é trabalho. O ser humano é um escroto, cada dia que passa só tenho mais certeza disso. Aplicaram a injeção em mim e logo que terminaram, senti um súbito enjoo. Meu cérebro tentou formular alguma frase educada, mas em meio a palavras e organizações de sentenças naufragando ou caindo montanhas abaixo, consegui apenas gritar:

- VÔMITO!

Uma das loirinhas puxou com o pé um cesto de lixo para perto de mim e ali mandei uma bela quantidade de gorfo, com direito a jatinho. Enchi o cesto tão perfeitamente quanto uma máquina de café enche o copinho, na medida.

         Fiz a tomografia fadigando, estava cansado pra cacete, hospital tem uma energia tão ruim que consome até sua alma. Logo após o exame, conseguia me sentir melhor, a dor já era pouca e retornei para a maca onde dormi por um tempo. Acordei mais consciente, coloquei meus óculos e olhei para o relógio, eram exatamente sete da noite.

- Como se sente, André? – disse o médico.

- Ainda sinto dor, mas pouca. O que sinto mesmo é fome. – não tinha comido nada até então.

- Vamos providenciar um lanche. Alguém pode te buscar? Você ainda está sob o efeito de medicação.

- Sim, ligarei para o meu pai.

- Já trago os resultados dos exames.

          O lanche chegou. Aquela delícia que só os hospitais conseguem servir: duas torradas, três bolachas de água e sal e alguns potinhos com geleia e manteiga, explosão de sabor. Liguei para o meu pai.

         Enquanto comia feito pedreiro que acaba de sair da construção, o médico chegou com uma pasta aberta e vários papéis, que deveriam ser os exames.

- Olha, não tem problema grave algum em seu estômago, é gastrite mesmo. Recomendo procurar um gastroenterologista para iniciar um tratamento e regular muito bem sua alimentação.

- Tá certo.

         Meu celular tocou, era meu pai informando que estava me esperando em frente ao local. Saí do hospital, entrei no carro, dei um abraço no meu pai e cumprimentei meu irmãozinho que perguntou:

- Dé, o que você tava fazendo lá?

- Tive um dia cheio de aventuras, Gabriel. Hoje conheci uma bela camponesa, dirigi a 200km/h, andei de barco e até mesmo vi um incêndio em um lugar que tinha pelo menos oito mulheres exatamente iguais!

- Nooooooooooosssa! Sério irmãozão?!

- Hahahaha brincadeira, maninho, foi apenas um dia no hospital!


domingo, 12 de agosto de 2012

The dark side of jeitinho brasileiro


Logo quando a expressão “jeitinho brasileiro” é ouvida, surge a ligação para a famosa ginga brasileira, a capacidade de se esquivar dos problemas e dificuldades de maneiras não convencionais e, em geral, nada “politicamente corretas”. Até onde isso é bom todos sabem, mas quando é analisado o dark side deste traço da personalidade nos nativos do país, nota-se quanta sujeira também é gerida nestas terras por conta desta habilidade.

O comum é pensar no lado bom, a ideia de que o brasileiro se adapta facilmente as mais diversas situações em qualquer lugar que seja para conseguir o que bem entender, este é o jeitinho brasileiro. Se utilizado de maneira correta, não há mortos nem feridos, pois nada como ir para qualquer país, sem muita grana para sustento e se virar, dar um jeitinho. Estourar a tira da havaiana e dar um jeitinho (deselegante, porém funcional), amarrar o kichute na canela, falar portunhol no Paraguai e esfregar o chão dos norte americanos para fazer um mochilão, são boas práticas da arte-manha. Este tipo de visão é o mais atribuído ao termo, mas qual é o seu lado podre?



Pensando de maneira clara, observa-se um diferencial nos representantes do poder público do país do futebol. O jeitinho brasileiro predomina neste meio, expressado pelo pior problema existe no país, a corrupção. Este, infelizmente, é o causador de um dos maiores, senão maior, problemas aqui existentes, a distribuição de renda incoerente. Esta nação que faz parte do grandioso BRIC, tendo potencial econômico deveras promissor e uma exibição mundo afora que parece colocar o Brasil como um dos melhores lugares para se investir, para se morar e tentando passar a imagem de que aqui tudo está caminhando às mil maravilhas. São good news para quem anda de iate e gasta 5 ou até 10 dígitos em um relógio Rolex, mas para a maior parte do público brasileiro, é apenas uma piada de mal gosto.

Como explicar este problema? Uma hipótese é que este seja um dos resultados da mistura existente aqui no Brasil, o país da miscigenação. O problema do jeitinho brasileiro não está ligado à cultura alguma, ele pode estar ligado à mistura dela. Dentro do seu espaço, cada etnia preza por seus costumes, honra tradições e lapida uma personalidade com a cara do povo, mas e quando a cara do povo é abstrata? Perdem-se os aprendizados tradicionais japoneses, africanos, alemães, franceses, etc. No lugar disso, é desenvolvida a multi-habilidade, a capacidade de se adaptar a diferentes situações por conviver com diversas culturas diferentes e, no final das contas, os grandes ensinamentos são destoados e transformados em perícias de sobrevivência porque já não importa mais manter a linha da tradição. Obviamente, não é uma regra geral, pois existem diversas famílias tradicionalistas que mantém seus costumes.

A arte do migué no mundo político brasileiro, nada mais é do que se aproveitar da massa ignorante (ignorante = sem informação) para realizar seus anseios. Manipular a massa é mais fácil, pois não importante quem é o candidato se paga um almoço beneficente. Não importa se cometeu uma série de absurdos em algum governo, porque a memória é curta e um show de bandas com pastel e pinga pode ajudar a esquecer o que houve.

Isso lá é maneira de comover uma nação? É a melhor maneira de mostrar que é merecedor do controle do bairro, cidade, estado, região, país? Utilizando-se de uma lógica ética, não. Isso é “dar um jeitinho”.

          O público brasileiro ganhou até uma identidade animada por conta dessa personalidade, o famigerado Zé Carioca. Um “presente” da Walt Disney para o Brasil. Segundo o desenhista, ele é a cara do Brasil, o jeitinho brasileiro em traços e cores.

Definição do Zé Carioca: divertido, festeiro, ligeiro, vagabundo e preguiçoso.

Ele sempre dá um jeito de conseguir tudo com sua ginga e encanta a todos. Talvez seja um exagero dizer que todo brasileiro é assim, mas, por bem ou por mal, certamente existe um pouco de Zé Carioca em cada um.

A maneira como esta habilidade é utilizada só depende da intenção. Mas vá com calma, Jedi, partir para o dark side pode lhe custar caro.

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Renatinho Scat boy – Um vulcão em erupção


Esta é a primeira de uma série de crônicas sobre um garoto que vive em situações inusitadas por problemas estomacais. Caso você seja uma mocinha que acha tudo um nojinho, esta não é a leitura recomendada para o seu dia.

Renatinho Scat boy – Um vulcão em erupção




Renatinho havia acabado de chegar a sua casa e embora não tivesse habilidade alguma, estava jogando futebol com seus amigos no campinho. Tinha o desejo de ser um vencedor, apesar das desvantagens do seu corpo roliço. Já era hora da janta e a mãe anunciou:

- Renatinho, venha comer a dobradinha que a mamãe fez, lindinho!

Dobradinha nunca fora o prato favorito do menino, ainda mais porque lhe ocasionava fortes problemas com gases, o que afastava ainda mais o pobre gordinho das meninas da escola. Já não bastava ter o peso avantajado, ainda tinha um estômago um tanto quanto perigoso. Renatinho se tornava uma bomba quando ingeria certas substâncias e o prato da noite seria uma forte munição no dia seguinte. “Não quero fazer educação física amanhã”, pensou, com medo de ser constrangido frente aos colegas devido aos seus rugidos flatulentos.

           Todos iniciaram a janta e seu pai logo começou com as alfinetadas:

- Olha só como esse moleque come! Não é a toa que está virado num almôndega com patas. Caralho, Renatinho, vai com calma seu gordo cagalhão!

- Não fala assim com o menino, Pedro! Tadinho!

- Desse jeito não vai comer ninguém.

- Olha a idade do menino, Pedro, para com isso já!

O jantar continuava com a maior naturalidade, afinal de contas, Renatinho já estava acostumado com a falta de sensibilidade habitual do pai que trabalhava como pedreiro e tinha uma personalidade um tanto quanto grotesca. O gordinho não ouvia mais nada, a dobradinha estava deliciosa, muito melhor do que nos outros dias, fazendo-o repetir três vezes.

- Olha só, Matilde, vai acabar com a comida da casa toda qualquer dia! Ainda consegue ver seu pinto, gordão?!

Renatinho não respondeu e foi para o seu quarto enquanto seu pai ria alto e sua mãe tentava o impedir inutilmente, falando “deixa o menino comer em paz, papai”. No quarto, começou a sentir umas pontadas violentas quando já estava deitado na cama. “Nossa senhora, desta vez está mais forte que nunca!”, estava tomado por pensamentos desesperados a respeito do que poderia acontecer.

A comida finalmente pareceu se acomodar em seu estômago e finalmente conseguiu dormir. Pela manhã, acordou com sua mãe o despertando:

- Acorda logo meu amado, você está atrasadinho e precisa correr para pegar a carona com a tia!

A carona com a tia na verdade era uma maneira carinhosa de a mãe chamar a condução escolar da Dona Célia, uma senhora gorda como um balão, rosto rosado, sempre sorridente e que tinha pelos medonhos no sovaco. Logo quando Renatinho levantou, começou a se sentir pressionado. Sentia um forte solavanco no estômago, era uma dor infernal e foi com dificuldade para o chuveiro, precisava ser rápido devido ao atraso na hora de acordar. No banho, massageava incessantemente sua barriga enorme com esperança de que a dor passasse.

- Mamãe, minha barriga ta doendo! – gritou do chuveiro.

- Saindo do banho você já come alguma coisa e a dor já passa! Deve ser fome, meu amor!

Não teve coragem de contrariar a mãe, pois apesar da dor, estava mesmo com fome. Fazia parte do ritual antes de sair para a escola, comer um lanche bem reforçado para manter seus instintos até a hora do recreio. Vestiu seu uniforme e foi comer o que a mãe tinha acabado de preparar. Apesar do calor de trinta graus, Renatinho sempre usava um enorme moletom porque tinha muita vergonha do seu problema com peso. A calça estava ficando pequena, deixando o cofrinho à mostra, fazendo com que o menino tivesse que puxar a camisa para baixo e a calça para cima constantemente, quase que como um cacoete nervoso.

A espera de Renatinho estava um enorme copo de 500ml de Toddy com uma estampa do Pateta, era seu copo favorito, e também um misto quente com o dobro de queijo e presunto do que normalmente se coloca. Dona Matilde não se importava com o tamanho do filho, ela apenas queria vê-lo sorrir, não importando os problemas com peso. Renatinho praticamente engoliu o lanche e saiu correndo para pegar a condução.

O caminho era longo, sete quadras até chegar ao ponto de encontro da condução, o módulo policial do bairro, onde encontraria Pâmela, a garota mais bela e gostosa de sua sala. Apesar de ainda estar na oitava série, Pâmela era de longe, muito bem desenvolvida. Tinha os seios grandes (tamanho 42), cabelos cacheados longos até a altura da cintura, olhos verdes claros e um belo rabo. Mesmo usando aparelho, tinha um sorriso encantador. Os únicos minutos que passava conversando a sós com uma garota eram enquanto esperava a condução junto a Pâmela, sendo o momento mais especial do dia.

Logo no início do percurso, Renatinho começou a sentir uma forte fisgada na traseira. O gordinho apertou o passo e começou a se preocupar. Dentro do seu estômago havia sido travada uma guerra entre dobradinha, arroz, feijão, pimenta, Toddy, presunto, queijo, pão e maionese.

Os cavaleiros do apocalipse estomacal haviam anunciado o prelúdio.

O sol forte aquecia o corpo de Renatinho, fazendo-o suar dentro de seu moletom. As pontadas aumentavam e a vontade de cagar era incessante, precisava descarregar aquela mistura logo. “Ai meu Deus! Preciso cagar urgente!”, o desespero tomara conta do pobre garoto que corria pateticamente ao longo das sete quadras. Estava quase na metade do caminho ainda quando pensou “Posso agüentar até a escola!”.

         O grande problema é que tinha pouco tempo para chegar até o módulo policial, pouco menos de cinco minutos até a condução deixá-lo para trás e ainda faltavam três quadras, “Dá tempo!”. Teria de manter o ritmo acelerado, não tinha escolha. Pensou em Goku. Se pudesse, correria igual a ele e ainda chegaria com tempo de sobra para papear com a Pâmela.

              Pensou em Pâmela, pensou em Goku e resolveu tomar uma atitude paliativa. Tentaria um peidinho para aliviar e ganhar tempo para concluir o assunto somente no banheiro da escola. Já conseguia avistar o módulo policial, só mais duas quadras. No calor da corrida, próximo do destino, avistou ninguém menos que ela... Pâmela. A emoção veio em forma de alívio, choque, desespero e tristeza, exatamente nesta ordem.
Renatinho errou o calculo e acabara soltando um peido carregado com uma munição de primeira.

A bosta grossa vinha em uma quantidade absurda. Nunca tinha sentido uma sensação como aquela, estava cagando tanto que subia da sua cueca para sua camisa, podia sentir o calor marrom subindo por suas costas, atingindo um palmo para cima do seu cofrinho. Era um verdadeiro chafariz, um vulcão de merda em erupção. “Como!?”, lembrou de Shiryu revertendo o fluxo da cachoeira, fazendo-a ir para cima, era a própria cólera do cagão.



Conforme a natureza foi terminando seu fluxo, Renatinho olhava estático para o módulo. A poucos metros da bela garota, derrotado, olhava através do cenário à frente, só conseguia enxergar um mundo pastoso e marrom. O cheiro de cocô era fortíssimo, uma verdadeira bicuda no nariz de qualquer um que chegasse a um metro de distância. Renatinho, havia se transformado em uma verdadeira arma química.

Suas calças pesavam, a merda escorria por entre as pernas e sentia como se seu peso tivesse dobrado. Olhou para a Pâmela que acenava:

- Oi Renatinho!

Não respondeu, passou correndo por ela, entrou no módulo, olhou para um policial baixinho e bigodudo com um sanduíche na mão e disse, suando:

- PRECISO USAR O BANHEIRO!

O baixinho torceu o nariz, sentia o cheiro forte invadir o local todo, como se tivesse sendo inundado por um gás mortal. Colocou a mão com o sanduíche no nariz, completamente atordoado, apontou para uma porta e disse:

- Meu caralho, que fedor! É ali!

Entrou rapidamente, escutando os palavrões do policial e viu a privada. Era hora de checar o estrago e tomar alguma atitude. Logo quando abaixou a cueca, teve certeza de que não iria para a escola, iria mesmo para casa. “Minha mãe vai me matar!”, pensou e começou a chorar enquanto procurava o papel higiênico.

Pensando que não poderia ficar pior, olhou para o papel higiênico e tinha apenas meia folha. Desesperado olhou para a pia de lavar as mãos e pensou em utilizar a toalha para se limpar, mas logo desistiu desta ideia e já teve outra. Foi em direção a pia, levantou a bunda gorda para perto dela, abriu a torneira e começou a banhar a traseira. O procedimento era trabalhoso, porém muito efetivo e pela primeira vez na manhã, esboçou um sorriso. A sensação era muito boa, mas o pior logo veio.

A pia não agüentou a pressão de Renatinho com todos os seus cento e quatro quilos e quebrou.
Atingiu o chão com a cabeça, levantando um galo enorme em sua testa. O desespero novamente tomou conta, Renatinho levantou suas calças, abriu a porta e saiu correndo antes mesmo que o baixinho pudesse lhe passar qualquer sermão por causa do estrago causado. Assim que saiu do módulo, deu de cara com a condução escolar e todos os seus colegas na janela. O tempo parou novamente, todos analisavam o estado patético de Renatinho. O cheiro ainda pairava forte no ar, Renatinho era a evidência de um estouro de bosta. Um menino da quinta-série com cabelo tigela mascando chiclete apontou e gritou:

- TEM MERDA NO UNIFORME DELE! ATÉ NO TÊNIS!

Uma bela tragédia, agora todos riam incessantemente enquanto algumas garotas falavam um “Que nojo!” ou “Vou vomitar se ele entrar aqui” seguidos de muitos “Eu também”. Correu como nunca em direção a sua casa, chorando muito e desejando nunca mais ver ninguém.

             Chegando em casa, Dona Matilde esbugalhou os olhos vendo seu filho cagado, suado,  machucado e chorando. Limitou-se a perguntar, em estado de choque:

- Minha nossa senhora, o que houve com você, meu filho?!

- Eu me caguei, fui lavar o bumbum na pia do módulo, caí, dei de cara no chão e saí correndo!

- Esqueceu de dizer que quebrou a pia enquanto lavava o cu porque acabaram de me ligar lá do módulo policial! Eu que não vou pagar aquela merda! – disse o pai, extremamente nervoso.

- Vá já para o chuveiro, filho!

                Tomou banho chorando e prometeu a si mesmo que nunca mais comeria dobradinha, aquele tinha sido o pior dia de sua vida e tudo por conta de um jantar. Assim que chegou no quarto, ligou o computador e pensou “Ao menos poderei jogar World of Warcraft a tarde toda!”. Como se tivesse explodindo uma porta, seu pai entrou no quarto com a cara extremamente vermelha de quem estava com muita raiva, mais ainda do que antes:

- GORDO DO CARALHO! JOGOU A CUECA CAGADA EM CIMA DAS ROUPAS DO CESTO! IDIOTA! BEM EM CIMA DA MINHA CAMISETA SOCIAL NOVA! VOU TE ARREBENTAR AGORA!

Eis que pequena felicidade de Renatinho sumiu e teve de passar a tarde toda lavando as roupas que sujou por conta da sua falta de atenção.